Vista del pueblo de Eljas. Elhas em Fala

Elhas

As vilas onde se “fala.”

I. Elhas.

Encontra-se a meio do caminho entre Valverde do Fresno e São Martinho de Trevelho. Das Elhas depende a aldeia do Soito.

Que saibamos, este município tem sido nomeado ao longo da história com as seguintes denominações: Elgiam, Elgias, Elyas, Elxes, Herjes, Herjas, Heljas, Eljas. Esta circunstância deu lugar a que se deem variadas interpretações sobre a sua procedência.

Vejamos alguns exemplos:

Según opina Paredes Guillén, durante la dominación romana se llamó Ergastulum, que significa cárcel de siervos, de donde derivaría el nombre actual.1

No privilégio outorgado pelo rei Fernando III o Santo, em 2 de abril de 1231, pelo qual confirmou os foros de Salvaleão, quando são anotados os limites do termo de Salvaleão, aparece:

…quomodo vadit recta linea ad Elgiam, exinde per Elgiam ad sursum usqued ad Portum de Ladrones, quomodo dividit cun Navas Frias…2

Segundo uma lenda popular3 que contam as pessoas mais velhas nos seus lares, ao calor dos braseiros e das lareiras no município das Elhas: … el final de Salvaleón se produjo durante una guerra con los vecinos portugueses de la raya, y, que a medida que los portugueses iban ganando la contienda, los hombres de Salvaleón, quedándose al frente de la lucha, oportunamente, en un último intento de salvación de sus intereses, optan conveniente dejar escapar a sus mujeres que huyeron al pueblo de Eljas, pueblo al que desde entonces se le llamará “las Ellas”, por ellas, aquellas mujeres que huyeron de Salvaleón para refugiarse allí, en las Eljas, por ser el lugar en aquellos instantes más idóneo y seguro.

Quer seja como diz a lenda quer não, é frequente encontrarmos documentos oficiais em que o nome da vila é precedido pelo artigo determinado as. Forma que, já agora, é a utilizada pelos habitantes desta ilha linguística na sua denominação em fala quando dizem: As Elhas.

Sobre o gentilício para os habitantes desta vila, é muito difícil encontrar a sua relação direta com o nome do lugar, já que embora tivesse sido mais próprio que se denominassem eljasteros ou elhasteiros, no entanto são conhecidos por lagarteiros4.

Quando perguntamos aos lagarteiros, respondem-nos que até bem avançado o século passado destacavam pela sua habilidade na caça e preparação culinária dos lagartos. Prática proibida na atualidade e felizmente também já desaparecida; tendo sido esta prática tão notória que o escudo heráldico5 deste município se configura como segue: Escudo medio partido y cortado. Primero, de plata, cruz flordelisada, de sinople. Segundo, de plata, lagarto, en su color. Tercero, de sinople, castillo de dos torres, de plata, almenado y mazonado de sable. Al timbre, Corona Real cerrada.

O nosso contributo, a modo de mera hipótese, tendo-se em conta que é uma etapa da história destas vilas da qual contamos com escassa informação, é o de que provavelmente os escravos que utilizaram os romanos na sua incursão para esta região provinham das proximidades do outro lado da raia. Tenha-se em conta que na atual freguesia de Aldeia do Bispo6 ou em Sortelha7, ambos as localidades pertencentes atualmente ao concelho de Sabugal (Portugal), são conhecidos os primeiros como lagarteiros e os segundos como lagartixos.

As Elhas ocupam uma extensão superficial, tal e como indicávamos no princípio deste trabalho, de 33,55 km2.

Segundo os dados oficiais de população oferecidas pelo Instituto Nacional de Estadística8 para a última revisão anual aprovada do recenseamento municipal de habitantes, com referência a 1 de janeiro de 2015; este município conta com 941 pessoas, das quais 463 são mulheres e 478 homens.

A fonte principal da sua economia provém da oliveira, seguida em extensão, pelo seu cultivo, da vide, da qual se obtêm bons caldos. Quanto ao setor pecuário, predomina a cabra e em menor grau o gado vacum e o lanígero.

 

1García Mogollón, Florencio-Javier.- Viaje artístico por los pueblos de la Sierra de Gata (Cáceres). Catálogo monumental.Página 104.

2Velo y Nieto, Gervasio.- CORIA reconquista de la alta Extremadura. Cáceres 1956. Apéndice XXVII. Página 226

3Burguet Fuentes, Enrique.- Revista DETECCIÓN & MONEDAS

4De la Torre Aparicio, Tomás.- GENTILICIOS ESPAÑOLES. Página 188

5DOE.- Número 126 de 30 de octubre de 1993. Página 2905. CONSEJERÍA DE PRESIDENCIA Y TRABAJO. ORDEN de 21 de octubre de 1993, por la que se aprueba el Escudo Heráldico y la Bandera Municipal, para el Ayuntamiento de Eljas. http://doe.gobex.es/pdfs/doe/1993/1260o/93050564.pdf

6www.aldeiadobispo.netOs seus naturais eram conhecidos por “labregos” e “lagarteiros”.

7http://www.sortelha.sabugal.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=48&Itemid=56

Esta disposição das casas, expostas ao sol, explica o cognome de “lagartixos” dado aos seus habitantes.

8http://www.ine.es/jaxiT3/Tabla.htm?t=2863&L=0

Conformi desperta, as Elhas se desnuda levantandu a sutil enágua que a acaricia.

Autor: Antonio Manuel Corredera Plaza.

Tradução: Eduardo Sanches Maragoto.

Grupo Xálima

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *